1120 Alameda Orquidea, Atibaia, SP,  BRA

fernando@driverentry.com.br

E o pulso ainda pulsa

Antes de completar três meses sem qualquer sinal de vida, aqui estou a dar uma espiada no que ocorre na blogosfera. Este final de ano foi realmente corrido. Como já devem saber, minha ida para IBM contribuiu um pouco para esta minha ausência. Tudo bem, a faculdade também ajudou bastante, no finalzinho do ano reservei um tempo para mim mesmo e fui dar uma passeada na praia. Mas vamos deixar de conversa mole e ir ao que interessa.

Neste post, de volta ao mundo dos vivos, vou comentar apenas pequenas coisas e deixar para depois (mas ainda para esta vida) um post mais elaborado, como os que vocês estão acostumados a ver por aqui.

Debug em Free

Uma das coisas que tive que aprender a conviver na IBM é a depurar o driver que escrevemos sempre com o Build Free, ou seja, com otimizações e tudo mais que uma compilação release merece. Eu bem que tentei relutar dizendo que é importante que tenhamos uma versão checked para testes e que seria valioso poder rodar nosso driver com todos os ASSERT‘s ligados e verificando qualquer coisa fora do normal que possa ocorrer. Mas acreditem, não é fácil convencer este povo que entre Indianos e Norte-Americanos já estão acostumados com essa situação. Foi procurando boas justificativas para termos uma versão checked utilizável que encontrei este post. Pois é, as justificativas são realmente muito boas, mas ainda defendo que deveriamos ter uma versão checked. Estou preparando um post que fala um pouco sobre isso.

Por falar em saber inglês

Alguns posts antes deste, eu falei do MSDN traduzido para algumas linguas, incluindo o português. O recado foi que, dá pra se virar um pouquinho sem saber inglês, mas se você ainda não sabe e pretende desenvolver drivers para viver, então trate de aprender o quanto antes. Me lembrei deste post hoje quando numa pesquisa do Google um link foi especialmente gratificante.

Dicas do IoGetDeviceObjectPointer

Bom, se alguém conseguiu pegar alguma dica, por favor me passe. Se um dia eu resolver aprender uma terceira lingua, agora já tenho uma candidata.

Ano novo cara nova

Era para ter acontecido antes, mas infelizmente o tempo é curto para muitas pessoas. Coloquei em prova as habilidades de web designer do meu irmão para dar um tapa no layout do meu blog. Está ficando muito bom, mas ainda não tenho nada de concreto para mostrar. Estarei migrando para o WordPress em pouco tempo. Uma boa parte do trabalho já foi feito, mas ainda há muito a ser feito. Minha principal intenção em migrar para o WordPress é poder utilizar um destes plug-ins que permitem que eu tenha o mesmo post tanto em inglês como em português. Bom, um dos poucos que testamos ainda deu problema. Mas vamos chegar lá.

Até mais mais…

2 Responses

  1. Bullshit. Debug em debug (!?) é muito útil e deve ser feito antes dos testes em release/free. Esse tipo de debug é ótimo para testar algoritmos e ver passo a passo o que está acontecendo e entender melhor o que foi feito. Você gasta mais tempo para fazer isso em release/free, porque até você perceber que a variável x está em um registrador…

    Deixar de fazer algo importante (testes em checked) só porque existe algo muito mais importante (testes em free) me parece no mínimo incoerente.

Leave a Reply

Your email address will not be published.